sexta-feira, 22 de maio de 2009

Mulher de palavras


As palavras doem como punhais

Sinto-as fluindo e, sem fazer muito sentindo, vão penetrando em mim
Sinto um toque suave a percorrer meu rosto e morrer em meus lábios
São lágrimas que insistem em me mostrar fraca por mais que eu tente parecer forte

As palavras saem de mim, mas ainda há algo preso
 na garganta
Algo que me sufoca, mal posso suportar

Calo-me, já falei de mais
Vou pelo mundo, perdida, observando tudo atentamente e não enxergando nada de verdade
Embarco em uma viagem sem volta em meus pensamentos, tentando esquecer o que me traz de volta à realidade

Mas à noite eu me encontro sozinha
Apenas eu e minhas palavras
E os pensamentos que já foram meus algum dia, não param de pensar em milhões de universos paralelos onde existe algo além das palavras e de mim.

Minhas palavras se calam quando vejo tudo o que sempre desejei, escorrer por entre meus dedos, sair da minha vida, mais rápido do que a lágrima cai dos meus 
olhos.

Minhas palavras se calam quando  não sinto mais o calor do corpo ao lado do meu, ouvindo minhas declarações de amor.

Minhas palavras se calam quando todas as canções exprimem o que quero dizer, mas não há mais para quem falar.

Minhas palavras se calam, meu peito se aperta, minhas mãos não se acalmam, meu pensamento fixo... o que estou fazendo? o que poderia fazer além disso?

Não há solução, as lágrimas são em vão, e nem penso em palavras de conforto ou superação, sei que o ser humano é mutável, se adapta a tudo, supera e esquece, mas é fácil você esquecer uma dor depois que ela passou, difícil é caminhar como se nada tivesse acontecido quando você sente além do peso do mundo inteiro nas costas, o peso de uma saudade.

Minhas palavras não se calam, insistentes, como se nunca tivessem sofrido;
espertas, como se nunca tivessem vacilado
Dispostas, como se nunca tivessem se escondido
Inteligentes, como se nunca tivessem errado;

Minhas palavras não se calam, falam e falam
Me expõem, para todo mundo ver
Para não me esquecer
Que as palavras que já fizeram poemas apaixonados, hoje não passam de palavras qualquer, sem sentido, sem noção. 
Hoje não passam de apenas palavras a denunciar o sofrimento da boca silenciosa, dos olhos chorosos, da mente perdida em meio a confusão do coração.

Minhas palavras falam o que eu não deveria dizer, apenas para tentar me livrar do peso de carregar tudo isso comigo, minhas palavras não me levam a lugar nenhum, nem traz ninguém aqui. 

Minhas palavras são só palavras. Sou apenas uma mulher de palavras.

2 Pensaram a respeito:

Conteúdo Estomacal disse...

Gostei ;)
=*

Bruna Steinbach disse...

Hummmm, uma mulher cheia de amor pra dar hein? hahahahahahahaha

Ei, tens que mudar o link do meu blog lá nos teus blogs que tu segues. Agora é venusdemile.blogspot.com

(: